sexta-feira, fevereiro 11, 2005

Ordens do Ministro

As questões relativas ao Alto-Minho eram levadas a despacho com o Ministro do Interior. Este respondeu em 3 de Setembro de 1913 a uma série de pedidos de Raimundo Meira.


Meu Exmo. Amigo

Acuso recepção da carta de dia 30.

Sobre a Câmara de Coura havia umas dúvidas e uma falta de formalidades que mandei preencher. Não esquecerá.
Enquanto à transferência de verbas destinadas às estradas diz-me o Ministro do Fomento que é ilegal e agora avisou-me pelo telefone que já fez saber as razões disso ao Afonso Costa.
A Guarda (Cavª) irá logo que recolham os oficiais das escolas. Tenho infor-mações que só então será talvez precisa.
Armas, é impossível obtê-las …. Em tempo de paz.
O nosso Bastos* defende-se que as não tem e que só em ocasião de perigo isso se obteria.
É indispensável estar de vista sobre os reaccionários. O meu último telegrama resultou de alguns Governadores-civis terem mandado executar imediatamente as ordens que receberam para a eventualidade provável e que talvez seja próxima.
É bom estar avisado para a ocasião oportuna.
Sobre a Escola Normal vou chamar a atenção do Ministro da Instrução. Este tem estado doente.

3 Setembro de 1913

Rodrigo Rodrigues


* Pereira Bastos – Ministro da Guerra

NOTA: o pedido de armas, não se destinava a qualquer unidade militar, tal não era da competência do Governo-Civil, destinava-se sim a armar milícias republicanas para esta perseguirem os oposicionistas ao Partido Democrático.

1 Comments:

Blogger FSantos said...

Essas milícias republicanas eram já a Formiga Branca?

11:13 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home