domingo, julho 13, 2008

Entregando as Chaves

A 18 de Maio, Artur Jorge Guimarães escreve a Simas Machado a dar-lhe conta das perseguições de que estava a ser alvo por parte de apoiantes do Partido de Afonso Costa. Alertado por um amigo, o medo foi tão grande que Artur Guimarães foge de casa, demite-se e envia na carta, as chaves do centro republicano evolucionista a Simas Machado.

Porto, 18/5/1915

Meu Exmo. Camarada e prezadíssimo amigo

Nos agitados dias que passaram não pude falar-lhe, embora procurasse por várias vezes fazê-lo. Na segunda-feira (17 de Maio) saí para cumprir com as obrigações que estão a meu cargo e julgava poder continuar a minha vida habitual, pois nunca julguei que pudesse ser perseguido por republicanos por pertencer a um partido republicano, que só tem honrado a republica. Porém procurou-me na minha casa pessoa categorizada e chefe revolucionário que me foi pedir para me retirar da minha casa e afastar-me por algum tempo daqui. Estranhei tal pedido e respondi-lhe o que a minha consciência e a minha dignidade me ditavam. Porém, as razões que me expôs convenceram-me a retirar. Não sei ainda ara onde irei, mas antes de partir era meu dever comunicar-lhe o que se passava e dizer-lhe, antes de escrever ao Dr. Almeida, quais as disposições do meu espírito, ante a tremenda catástrofe que abalou tão desgraçado país. Completamente desiludido, perdida toda a fé, julgando mesmo já impossível de realizar o programa do nosso partido, único que poderia dar a felicidade a este povo e assentar em bases sólidas a republica eu resolvera retirar-me completamente da política diante da hecatombe. Retirava-me por julgar inútil, todo o meu esforço por maior que ele pudesse ser. Mas depois de me ver perseguido pelos próprios republicanos a quem eu sempre ajudei quanto pude, não procurando mesmo saber a que partido pertenciam, pois nunca nutri ódio ou desprezo por ninguém, eu julgo que só tenho um caminho a seguir que é o de me retirar completamente de tudo. Assim lho comunico, antes de o fazer a mais ninguém, pela muita estima e consideração que me merece.
Peço-lhe o favor de transmitir aos nossos dedicados correligionários as razões expostas e pelas quais não me poderão ver ao seu lado, não esquecendo o Alfredo de Magalhães cujo carácter muito apreciei sempre. Junto remeto duas chaves, sendo uma da porta do centro e a outra da secretária. Muito desejava saber as impressões do meu bom amigo e se tiver um momento disponível pode escrever-me para a minha casa, Avenida do Brasil, 791, porque ficou lá pessoa encarregue de me remeter a correspondência. E disponha sempre do exilado.

Do amigo muito dedicado
Arthur Jorge Guimarães

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Rui Vieira said...

Li artigo sobre Casa do Relógio na Foz do Douro.
Em todas as vertentes é excelente. Na denúncia, e perdoa-me, parece mais um nativo de Nevogilde (só este pequeno pormenor de localização)gritando É DEMAIS! do que ribatejano. Pela fotografia e pela rima. Fora de série. Sinto-me até a pedir-lhe que me deixe transcrever no meu site com o devido crédito. Caso afirmativo, peço resposta para ruivieira.1950@gmail.com

Os meus parabéns.

10:33 da tarde  
Anonymous Daniela Moreira said...

Boa tarde, somos um grupo de estudantes da escola superior de educação, curso gestão do património. Estamos a elaborar um trabalho sobre "património esquecido" onde escolhemos 3 "ruinas" para trabalhar , sendo uma delas a Casa do Relógio de Sol (Sanatório de Valongo e Fábrica de Cerâmica das Devesas) , ficamos encantados com esta carta. Sabe de mais alguma informação importante sobre a casa ? O que acha da casa estar tão degradada ?
aguardo resposta para o e-mail danielahmoreira@hotmail.com

4:28 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home